O Brasil subiu quatro posições em ranking global que avalia as políticas relacionadas à computação em nuvem . O país saltou do 22º lugar, em 2016, para o 18º na edição deste ano com a performance de 2017 no estudo “Tabela de Desempenho Global sobre Computação em Nuvem”, conduzido pela BSA| The Software Alliance.

Apesar do avanço brasileiro, a pesquisa revela, porém, que o ambiente legal e as regulamentações do país para o Cloud Computing ainda limitam inovações.

A Alemanha foi a economia mais bem avaliada graças às suas políticas nacionais de segurança cibernética e à promoção do livre comércio. Ela é seguida de perto pelo Japão e pelos Estados Unidos, segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Na lanterna, estão Rússia, China, Indonésia e Vietnã, que contam com abordagens de cloud que vão na contra mão da tendência internacional, limitando a livre circulação de dados.

Os países continuam seus regimes de proteção de dados, caminhando para a liberação dos fluxos de dados transfronteiriços. Entretanto, muitos mercados ainda não adotaram leis de privacidade adequadas.

Mercados emergentes continuam atrasando a adoção de políticas que favoreçam a nuvem. O desenvolvimento da tecnologia é desafiado por regulamentações que impõem barreiras significativas para provedores de serviços na nuvem e exigem requisitos de localização de dados. A situação é agravada pela falta de segurança cibernética.

Países que adotaram políticas de localização pagaram um preço alto. Os requisitos de localização de dados atuam como uma barreira à computação em nuvem, causando impactos financeiros negativos para os mercados locais.

O aumento na implantação de banda larga leva a resultados interessantes. A capacidade de países e empresas de alavancar a computação em nuvem para o crescimento requer acesso a uma rede poderosa. Embora quase todos os países continuem a trabalhar para melhorar o acesso à banda larga, o sucesso desses esforços permanece muito inconsistente, diz o estudo.

 

Fonte:TeleSíntese

Posts Anteriores

  • ABRINT 2018

    ABRINT 2018

    Estivemos no MAIOR encontro de PROVEDORES regionais da America Latina - ABRINT 2018. Este foi um ano muito especial, pois em 2018 a ABRINT completou 10 anos e montou um evento repleto de novidades, ampliando a quantidade de expositores, [...]

  • Reguladores e empresas descartam órgão dedicado ao compartilhamento de infra

    Reguladores e empresas descartam órgão dedicado ao compartilhamento de infra

    O conselho diretor da Anatel aprovou, meio de circuito deliberativo, prorrogação até o dia 1º de abril da consulta pública do Regulamento de Avaliação da Conformidade e Homologação de Produtos para Telecomunicações, que deverá substituir o regulamento e a norma atualmente em vigor.

  • Em abril, provedores regionais mantiveram ritmo de crescimento na banda larga

    Em abril, provedores regionais mantiveram ritmo de crescimento na banda larga

    O conselho diretor da Anatel aprovou, meio de circuito deliberativo, prorrogação até o dia 1º de abril da consulta pública do Regulamento de Avaliação da Conformidade e Homologação de Produtos para Telecomunicações, que deverá substituir o regulamento e a norma atualmente em vigor.

  • Banda larga ainda é lenta e concentrada no Brasil | ANATEL

    Banda larga ainda é lenta e concentrada no Brasil | ANATEL

    O conselho diretor da Anatel aprovou, meio de circuito deliberativo, prorrogação até o dia 1º de abril da consulta pública do Regulamento de Avaliação da Conformidade e Homologação de Produtos para Telecomunicações, que deverá substituir o regulamento e a norma atualmente em vigor.

  • ANATEL FAZ MEGA-OPERAÇÃO ANTIPIRATARIA EM SETE ESTADOS E 15 GRANDES DISTRIBUIDORES

    ANATEL FAZ MEGA-OPERAÇÃO ANTIPIRATARIA EM SETE ESTADOS E 15 GRANDES DISTRIBUIDORES

    O conselho diretor da Anatel aprovou, meio de circuito deliberativo, prorrogação até o dia 1º de abril da consulta pública do Regulamento de Avaliação da Conformidade e Homologação de Produtos para Telecomunicações, que deverá substituir o regulamento e a norma atualmente em vigor.