AUTORREGULAÇÃO E REVISÃO DE SANÇÕES PODEM MELHORAR A IMAGEM DAS TELES, AVALIAM ESPECIALISTAS | Tele

Em 10 anos, a Anatel instaurou mais de 32 mil processos de sanções, mas a maioria das multas aplicadas é judicializada.

O conceito da autorregulação para setor de telecomunicações continua a avançar entre os técnicos da Anatel e conta com o apoio das teles e especialistas do setor. Ontem, 19, em seminário em Brasília, Karla Crosara Rezende, superintendente executiva da Anatel,  lembrou que desde dezembro passado está em consulta pública versão que altera o regulamento de fiscalização regulatória para a aplicação de sanções às empresas, que deixará de priorizar a aplicação de multas para a solução prévia dos problemas.

E José Alexandre Bicalho, que já foi da Anatel, assinalou que a experiência da Febraban, na qual baseia a sua atuação na autorregulação, surtiu bons resultados por haver contado com a colaboração de órgãos de defesa dos direitos dos consumidores, entre outros parceiros.

Para José Leça, diretor de assuntos jurídico-regulatórios da Telefônica, a autorregulação é um bom caminho. “O modelo de sanção acaba sendo judicializado”, advertiu.

Círculo vicioso

Para Karla,  a consulta pública servirá para empresas e consumidores apresentarem sugestões para melhorar o regulamento de fiscalização regulatória.

“Hoje temos um círculo vicioso. Temos ações de fiscalização que desaguam na descoberta do descumprimento reiterado de obrigações, à sanção aplicada e na regulamentação crescente”, relatou.

Alguns exemplos de sanções que podem ser aplicadas pela Agência às operadoras são a obrigação de levar infraestrutura para um determinado local não atendido por serviço de telecomunicações ou a suspensão de vendas de linhas ou de gratuidade de ligações devido a algum descumprimento de obrigação.

A Agência pretende adotar uma metodologia de priorização com adoção de medidas preventivas e reparatórias, entre elas o Termo de Conformidade, em que a operadora assume um compromisso com a Anatel de resolução do problema. E dar incentivos às empresas dispostas a corrigir erros, como suspensão da sanção para incentivar reparação ao consumidor.

Multas

De 2008 a 2017, a Anatel registrou a abertura de  32 mil processos de sanções, com 4,6 mil multas aplicadas em fase final em que não cabe mais recursos, com a soma de R$ 693 milhões. Mas, segundo Karla, apenas um terço desse valor foi efetivamente arrecadado pela agência, resultado considerado pela executiva como insatisfatório.

A consulta pública sobre o assunto (nº 53) recebe sugestões dos interessados até 27 de março.

Fonte:TeleSintese

Posts Anteriores

  • Anatel vai premiar pequenas prestadoras por bom atendimento ao consumidor

    A Anatel vai premiar práticas inovadoras de prestadoras de serviços de telecomunicações voltadas ao atendimento dos consumidores. A escolha do tema do Prêmio Anatel – Prática Inovadora 2019, lançado esta semana pela agência, tem por objetivo incentivar a criação de soluções para um dos problemas do setor, que é o da qualidade do atendimento. Um dos prêmios irá para pequenos prestadores.

  • Postes: provedores precisam recorrer à Justiça para comissão Anatel-Aneel julgar processos

    No dia 7 de março deste ano, o juiz substituto Márcio de França Moreira, da 8ª Vara do DF, determinou em sentença que, em 40 dias, a comissão arbitral Anatel-Aneel de resolução de conflitos relativos à aluguel de postes se manifeste sobre o processo da Leste Flu Serviços de Telecomunicações no qual aciona a Ampla Energia e Serviços S/A. O provedor, com sede em Itaboraí, no Rio de Janeiro, recorreu à Justiça porque seu processo estava na comissão desde agosto de 2018, sem ser analisado.

  • PEQUENAS PRESTADORAS RESPONDEM POR 90% DA EXPANSÃO DA BANDA LARGA NO ANO

    O país fechou janeiro deste ano, segundo dados divulgados pela Anatel, com 31,1 milhões de contratos ativos de banda larga, crescimento de 6,1% em 12 meses (mais 1,8 milhão de assinantes). Os grandes responsáveis pela expansão da base no período foram os provedores regionais de acesso à internet – cerca de 90% dos novos acessos são clientes de suas empresas.

  • CÂMARA RETOMA PROJETO QUE ZERA TAXAS SOBRE IOT

    A Câmara dos Deputados deverá retomar na próxima semana a apreciação do Projeto de Lei 7656/17, do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), que elimina taxas e contribuições incidentes sobre as estações móveis de serviços de telecomunicações dos sistemas de comunicação máquina a máquina, mais conhecidos como internet das coisas ou IoT (internet of Things). Essa proposta é vista por especialistas em telecom como uma antecipação necessária do Legislativo para reduzir a carga tributária não somente dos dispositivos móveis M2M, sem intervenção humana, já em vigor, como também para esses mesmos dispositivos que exigem intervenção humana. O governo ainda não fixou data para editar medida sobre a regulamentação sobre IoT.

  • LEIS ESTADUAIS QUE CRIAM OBRIGAÇÕES PARA TELES SÃO CONTESTADAS NO STF

    Leis estaduais que criam obrigações para prestadores de serviços de telefonia e internet são contestadas no Supremo Tribunal Federal (STF). A Associação das Operadoras de Celulares (Acel) e a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix) ajuizaram cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), com pedidos de liminar, contra as normas dos estados de Pernambuco (ADI 6086), Amazonas (ADIs 6087 e 6088), Ceará (ADI 6089) e Rio de Janeiro (ADI 6094). Em todas as ações, as associações afirmam que é competência privativa da União legislar sobre telecomunicações.

2019-02-24T20:16:08+00:00
Whatsapp