Abrint quer criação de fórum permanente para solucionar o compartilhamento de postes

Ele seria coordenado por uma entidade externa ou um representante designado pelos agentes econômicos, envolvendo as distribuidoras de energia elétrica e as prestadoras de telecom.

Para tentar solucionar os constantes problemas que envolvem o compartilhamento de postes, a Abrint está propondo a criação de um fórum permanente. Ele seria coordenado por uma entidade externa ou um representante designado pelos agentes econômicos, envolvendo as distribuidoras de energia elétrica e as prestadoras de telecom, para agir como uma alternativa que permita o engajamento dos agentes e uma busca por soluções sistêmicas.

No mês passado a Anatel e Aneel realizaram uma tomada de subsídios com o intuito de revisar a Resolução Conjunta nº 4/2014 que trata do tema, reconhecendo que as regras atuais não surtiram o resultado desejado que era a regularização da ocupação e a convergência dos preços de aluguel praticados pelas distribuidoras para o preço de referência de R$ 3,19.

Para a Abrint esta resolução deve ser mantida, com o mínimo de alterações no curto prazo, para garantir a segurança jurídica e o tempo necessário para a conscientização dos envolvidos. Para a entidade, esta questão deve ser resolvida por meio da criação de um fórum o mais inclusivo possível.

“Por se tratar de um tema complexo, devemos conciliar os interesses e expectativas entre todos os agentes que fazem parte desta discussão. A Abrint, com o apoio dos reguladores, está realizando fóruns com o foco na negociação e convergência de interesses entre as distribuidoras de energia elétrica e provedores regionais de internet”, disse Basílio Perez, presidente da entidade.

Considerados “projetos pilotos”, esses fóruns assemelham-se ao estabelecimento de uma autorregulação, possibilitando aos agentes econômicos trabalharem de forma mais colaborativa, célere e integra, reduzindo também a necessidade de intervenção adicional e instauração formal de conflitos.

“Nestes fóruns, buscamos orientar a regularização do uso dos postes – incluindo a identificação e tratamento das ocupações irregulares, como a negociação do preço do compartilhamento”, observou o executivo.

Perez considera que para solucionar o desafio do compartilhamento dos postes, as empresas poderiam se basear no case da criação da entidade Seja Digital – que envolveu o setor de telecom – e adotar um modelo semelhante, com as adequações e adaptações necessárias a esse tema, principalmente no quesito regularização.

A Seja Digital foi criada para o remanejamento da radiodifusão da faixa de 700MHz para uso pelo 4G e desligamento da TV analógica com recursos financeiros e governança própria”, comenta Perez.

Para casos em que esse tipo de alternativa não funcione, seria utilizado ferramentas de enforcement para solucionar casos crônicos. A governança dessa entidade pode ser construída a partir de negociação entre as prestadoras de telecom e distribuidoras, assim como existe na Seja Digital, com a supervisão dos reguladores e sua participação nos fóruns.

“Soluções para a regularização da ocupação dos postes não podem ser unilaterais e precisam ser resolvidas conjuntamente sendo trabalhada em fóruns específicos”, ressaltou Perez. Para ele, outro ponto que necessita de debate é o preço do ponto de fixação no poste. O executivo acredita que o valor de referência definido na resolução conjunta deveria controlar as discussões entre os agentes do setor e permitir a flexibilidade dos preços por parte das distribuidoras. “Portanto, defendemos a manutenção integral da regra estabelecida em 2014, da livre negociação e utilização do valor de referência”, finalizou.

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Anatel vai premiar pequenas prestadoras por bom atendimento ao consumidor

    A Anatel vai premiar práticas inovadoras de prestadoras de serviços de telecomunicações voltadas ao atendimento dos consumidores. A escolha do tema do Prêmio Anatel – Prática Inovadora 2019, lançado esta semana pela agência, tem por objetivo incentivar a criação de soluções para um dos problemas do setor, que é o da qualidade do atendimento. Um dos prêmios irá para pequenos prestadores.

  • Postes: provedores precisam recorrer à Justiça para comissão Anatel-Aneel julgar processos

    No dia 7 de março deste ano, o juiz substituto Márcio de França Moreira, da 8ª Vara do DF, determinou em sentença que, em 40 dias, a comissão arbitral Anatel-Aneel de resolução de conflitos relativos à aluguel de postes se manifeste sobre o processo da Leste Flu Serviços de Telecomunicações no qual aciona a Ampla Energia e Serviços S/A. O provedor, com sede em Itaboraí, no Rio de Janeiro, recorreu à Justiça porque seu processo estava na comissão desde agosto de 2018, sem ser analisado.

  • PEQUENAS PRESTADORAS RESPONDEM POR 90% DA EXPANSÃO DA BANDA LARGA NO ANO

    O país fechou janeiro deste ano, segundo dados divulgados pela Anatel, com 31,1 milhões de contratos ativos de banda larga, crescimento de 6,1% em 12 meses (mais 1,8 milhão de assinantes). Os grandes responsáveis pela expansão da base no período foram os provedores regionais de acesso à internet – cerca de 90% dos novos acessos são clientes de suas empresas.

  • CÂMARA RETOMA PROJETO QUE ZERA TAXAS SOBRE IOT

    A Câmara dos Deputados deverá retomar na próxima semana a apreciação do Projeto de Lei 7656/17, do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), que elimina taxas e contribuições incidentes sobre as estações móveis de serviços de telecomunicações dos sistemas de comunicação máquina a máquina, mais conhecidos como internet das coisas ou IoT (internet of Things). Essa proposta é vista por especialistas em telecom como uma antecipação necessária do Legislativo para reduzir a carga tributária não somente dos dispositivos móveis M2M, sem intervenção humana, já em vigor, como também para esses mesmos dispositivos que exigem intervenção humana. O governo ainda não fixou data para editar medida sobre a regulamentação sobre IoT.

  • LEIS ESTADUAIS QUE CRIAM OBRIGAÇÕES PARA TELES SÃO CONTESTADAS NO STF

    Leis estaduais que criam obrigações para prestadores de serviços de telefonia e internet são contestadas no Supremo Tribunal Federal (STF). A Associação das Operadoras de Celulares (Acel) e a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix) ajuizaram cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), com pedidos de liminar, contra as normas dos estados de Pernambuco (ADI 6086), Amazonas (ADIs 6087 e 6088), Ceará (ADI 6089) e Rio de Janeiro (ADI 6094). Em todas as ações, as associações afirmam que é competência privativa da União legislar sobre telecomunicações.

2019-01-07T18:42:42+00:00
Whatsapp