Abrint quer criação de fórum permanente para solucionar o compartilhamento de postes

Ele seria coordenado por uma entidade externa ou um representante designado pelos agentes econômicos, envolvendo as distribuidoras de energia elétrica e as prestadoras de telecom.

Para tentar solucionar os constantes problemas que envolvem o compartilhamento de postes, a Abrint está propondo a criação de um fórum permanente. Ele seria coordenado por uma entidade externa ou um representante designado pelos agentes econômicos, envolvendo as distribuidoras de energia elétrica e as prestadoras de telecom, para agir como uma alternativa que permita o engajamento dos agentes e uma busca por soluções sistêmicas.

No mês passado a Anatel e Aneel realizaram uma tomada de subsídios com o intuito de revisar a Resolução Conjunta nº 4/2014 que trata do tema, reconhecendo que as regras atuais não surtiram o resultado desejado que era a regularização da ocupação e a convergência dos preços de aluguel praticados pelas distribuidoras para o preço de referência de R$ 3,19.

Para a Abrint esta resolução deve ser mantida, com o mínimo de alterações no curto prazo, para garantir a segurança jurídica e o tempo necessário para a conscientização dos envolvidos. Para a entidade, esta questão deve ser resolvida por meio da criação de um fórum o mais inclusivo possível.

“Por se tratar de um tema complexo, devemos conciliar os interesses e expectativas entre todos os agentes que fazem parte desta discussão. A Abrint, com o apoio dos reguladores, está realizando fóruns com o foco na negociação e convergência de interesses entre as distribuidoras de energia elétrica e provedores regionais de internet”, disse Basílio Perez, presidente da entidade.

Considerados “projetos pilotos”, esses fóruns assemelham-se ao estabelecimento de uma autorregulação, possibilitando aos agentes econômicos trabalharem de forma mais colaborativa, célere e integra, reduzindo também a necessidade de intervenção adicional e instauração formal de conflitos.

“Nestes fóruns, buscamos orientar a regularização do uso dos postes – incluindo a identificação e tratamento das ocupações irregulares, como a negociação do preço do compartilhamento”, observou o executivo.

Perez considera que para solucionar o desafio do compartilhamento dos postes, as empresas poderiam se basear no case da criação da entidade Seja Digital – que envolveu o setor de telecom – e adotar um modelo semelhante, com as adequações e adaptações necessárias a esse tema, principalmente no quesito regularização.

A Seja Digital foi criada para o remanejamento da radiodifusão da faixa de 700MHz para uso pelo 4G e desligamento da TV analógica com recursos financeiros e governança própria”, comenta Perez.

Para casos em que esse tipo de alternativa não funcione, seria utilizado ferramentas de enforcement para solucionar casos crônicos. A governança dessa entidade pode ser construída a partir de negociação entre as prestadoras de telecom e distribuidoras, assim como existe na Seja Digital, com a supervisão dos reguladores e sua participação nos fóruns.

“Soluções para a regularização da ocupação dos postes não podem ser unilaterais e precisam ser resolvidas conjuntamente sendo trabalhada em fóruns específicos”, ressaltou Perez. Para ele, outro ponto que necessita de debate é o preço do ponto de fixação no poste. O executivo acredita que o valor de referência definido na resolução conjunta deveria controlar as discussões entre os agentes do setor e permitir a flexibilidade dos preços por parte das distribuidoras. “Portanto, defendemos a manutenção integral da regra estabelecida em 2014, da livre negociação e utilização do valor de referência”, finalizou.

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Anatel quer ampliar serviços sem outorga. Abranet e operadoras contestam

    A consulta pública 38 de 2018, de Reavaliação do Modelo de Outorga e Licenciamento de Estações de Telecomunicações, cujo prazo para a apresentação de contribuições já se encerrou, traz não só proposta de balcão único para as outorgas de telecom, ou substituição da taxa do Fistel para os aparelhos celulares, por um novo imposto, conforme já publicou o Tele.Síntese. Os documentos sugerem também acabar com a obrigatoriedade de outorgas para mais serviços de telecomunicações, além do SCM, ja liberado. A agência quer o fim da licença para serviços como o de telefonia fixa e de TV paga para as operadoras de pequeno porte.

  • Furukawa lança família de microcabos ópticos

    A Furukawa lançou recentemente uma família de microcabos ópticos, destinados à instalação em microdutos por meio da técnica de sopramento. A nova linha tem como objetivo ajudar as empresas a superarem a falta de espaço nos postes das distribuidoras de energia elétrica e os transtornos causados pelo enterramento dos cabos que levam banda larga até as residências.

  • banda larga movel

    “A regulação dos pequenos provedores é ilegal”, diz CEO da Claro Brasil

    O presidente da Claro Brasil, há 12 anos no grupo da América Móvil, quase não aparece em Brasília e pouco frequenta os grandes eventos nacionais ou mundiais de telecomunicações, quando são apresentadas as novas tecnologias ou debatidas as principais agendas do setor. Mas isso não o impede de estar sempre antenado com as últimas tendências tecnológicas ou de ter posições firmes sobre questões regulatórias ou legais. E manteve essa mesma postura em nova conversa com o Tele.Síntese, cujos principais pontos da entrevista estão aqui publicados.

  • Mob lança solução de proteção contra ataques DDoS | Anatel

    A MOB Telecom está trabalhando com uma solução de segurança que fornece proteção contra a investida de usuários mal intencionados. O MOB Anti-DDoS atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal dos servidores continue.

  • Anatel estende prazo para indicações ao Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte

    A Anatel estendeu até o dia 31 de janeiro de 2019 o prazo para  as entidades de prestadores de pequeno porte indicarem representantes às vagas de membros do Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte de Serviços de Telecomunicações (CPPP) junto à Anatel. A prorrogação do prazo foi divulgada, nesta segunda-feira (17), pelo Edital nº 70/2018. De acordo com o Edital anterior (Edital nº 68/2018), originalmente o término do prazo era o dia 5 de janeiro.

2019-01-07T18:42:42+00:00