ACESSO À INTERNET CHEGA A 61% DOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS, DIZ CETIC.BR | Anatel

Metade dos internautas já acessa a rede pelo celular e cresce consumo de conteúdos audiovisuais

 

Entre 2016 e 2017, o acesso à internet nos domicílios brasileiros avançou sete pontos, passando de 54% para 61%, contra três pontos entre 2015 e 2016. No ano passado, havia 42,1 milhões de lares conectados no país. Nas cidades, 65% dos domicílios têm acesso à rede. Os dados são da pesquisa TIC Domicílios 2017, divulgada hoje, 24, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

O estudo aponta que as desigualdades por classe socioeconômica e por áreas urbanas e rurais persistem: o acesso à internet está presente em 30% dos domicílios de classe D/E (proporção era de 23% em 2016) e 34% das residências da área rural (em 2016, era 26%). Já nas classes A e B, as proporções atingem, respectivamente, 99% e 93%. Além disso, 19% dos domicílios conectados não possuem computador, o que representa 13,4 milhões de residências. Essa proporção era de apenas 4% em 2014.

Segundo o estudo, o preço da conexão permanece como principal motivo mencionado para a ausência de Internet nos domicílios: 27% dos entrevistados afirmam que o serviço é caro. “O dado revela ser cada vez mais essencial o investimento em infraestrutura e em políticas públicas que possibilitem que todos os brasileiros possam ter acesso à Internet em suas casas, sem distinção de classe social ou região geográfica”, pontua Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

No que diz respeito ao principal tipo de conexão, a TIC Domicílios 2017 registrou estabilidade em relação ao ano anterior, seja por residência conectada por banda larga fixa (64%) ou móvel 3G ou 4G (25%). O acesso móvel, no entanto, continua sendo mais utilizado do que o fixo por domicílios de classes D/E (48%).

Usuários de internet

A proporção de usuários de internet no Brasil cresceu seis pontos percentuais, passando de 61% (2016) para 67% (2017). Em números absolutos, 120,7 milhões de brasileiros acessam a rede, sendo que nas áreas urbanas essa proporção é de 71%. Ainda de acordo com a pesquisa, 87% deles usam a internet todos os dias ou quase todos os dias.

Já em relação ao dispositivo para acesso individual, mais uma vez a pesquisa aponta a preferência pelo celular, utilizado por quase a totalidade dos usuários (96%). Observou-se ainda um crescimento da televisão, utilizada por 22% dos usuários para conectar-se à internet. Essa proporção em 2014 era de 7%.

As atividades mais mencionadas durante o uso da internet continuam sendo o envio de mensagens (90%) e o uso de redes sociais (77%), porém o acesso a conteúdos audiovisuais tem apresentado crescimento nos últimos anos. A proporção dos usuários de internet que assistiu a vídeos na internet ou ouviu músicas online foi de 71% em 2017, o que representa 85 milhões de pessoas. Em relação aos serviços de governo eletrônico utilizados, os mais citados foram direitos do trabalhador e previdência (28%) e educação pública (28%).

Dispositivo de acesso

A pesquisa TIC Domicílios 2017 aponta que metade da população conectada acessa a internet exclusivamente pelo telefone celular, o que representa 58,7 milhões de brasileiros. Pela primeira vez na série histórica, o estudo mostra que a proporção de usuários que acessa a rede apenas pelo celular (49%) superou a que combina celular e computador (47%).

O perfil de uso exclusivo pelo celular é mais comum entre os usuários de classe D/E (80%) e de áreas rurais (72%). Isto reflete uma realidade em que os cidadãos de baixa renda não possuem múltiplos dispositivos de acesso à internet como acontece no caso das classes A e B. Esse perfil também é superior entre as mulheres (53%) em relação aos homens (45%).

Em sua 13ª edição, a TIC Domicílios realizou entrevistas em mais de 23 mil domicílios em todo o território nacional, entre novembro de 2017 e maio de 2018 com o objetivo de medir o uso das tecnologias da informação e da comunicação nos domicílios, o acesso individual a computadores e à internet, atividades desenvolvidas na rede, entre outros indicadores.

Para acessar a TIC Domicílios 2017 na íntegra, assim como rever a série histórica, clique aqui. (Com Assessoria de Imprensa)

Fonte:TeleSintese

Posts Anteriores

  • Anatel quer ampliar serviços sem outorga. Abranet e operadoras contestam

    A consulta pública 38 de 2018, de Reavaliação do Modelo de Outorga e Licenciamento de Estações de Telecomunicações, cujo prazo para a apresentação de contribuições já se encerrou, traz não só proposta de balcão único para as outorgas de telecom, ou substituição da taxa do Fistel para os aparelhos celulares, por um novo imposto, conforme já publicou o Tele.Síntese. Os documentos sugerem também acabar com a obrigatoriedade de outorgas para mais serviços de telecomunicações, além do SCM, ja liberado. A agência quer o fim da licença para serviços como o de telefonia fixa e de TV paga para as operadoras de pequeno porte.

  • Furukawa lança família de microcabos ópticos

    A Furukawa lançou recentemente uma família de microcabos ópticos, destinados à instalação em microdutos por meio da técnica de sopramento. A nova linha tem como objetivo ajudar as empresas a superarem a falta de espaço nos postes das distribuidoras de energia elétrica e os transtornos causados pelo enterramento dos cabos que levam banda larga até as residências.

  • banda larga movel

    “A regulação dos pequenos provedores é ilegal”, diz CEO da Claro Brasil

    O presidente da Claro Brasil, há 12 anos no grupo da América Móvil, quase não aparece em Brasília e pouco frequenta os grandes eventos nacionais ou mundiais de telecomunicações, quando são apresentadas as novas tecnologias ou debatidas as principais agendas do setor. Mas isso não o impede de estar sempre antenado com as últimas tendências tecnológicas ou de ter posições firmes sobre questões regulatórias ou legais. E manteve essa mesma postura em nova conversa com o Tele.Síntese, cujos principais pontos da entrevista estão aqui publicados.

  • Mob lança solução de proteção contra ataques DDoS | Anatel

    A MOB Telecom está trabalhando com uma solução de segurança que fornece proteção contra a investida de usuários mal intencionados. O MOB Anti-DDoS atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal dos servidores continue.

  • Anatel estende prazo para indicações ao Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte

    A Anatel estendeu até o dia 31 de janeiro de 2019 o prazo para  as entidades de prestadores de pequeno porte indicarem representantes às vagas de membros do Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte de Serviços de Telecomunicações (CPPP) junto à Anatel. A prorrogação do prazo foi divulgada, nesta segunda-feira (17), pelo Edital nº 70/2018. De acordo com o Edital anterior (Edital nº 68/2018), originalmente o término do prazo era o dia 5 de janeiro.

2018-09-21T20:09:47+00:00