Metade dos internautas já acessa a rede pelo celular e cresce consumo de conteúdos audiovisuais

 

Entre 2016 e 2017, o acesso à internet nos domicílios brasileiros avançou sete pontos, passando de 54% para 61%, contra três pontos entre 2015 e 2016. No ano passado, havia 42,1 milhões de lares conectados no país. Nas cidades, 65% dos domicílios têm acesso à rede. Os dados são da pesquisa TIC Domicílios 2017, divulgada hoje, 24, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

O estudo aponta que as desigualdades por classe socioeconômica e por áreas urbanas e rurais persistem: o acesso à internet está presente em 30% dos domicílios de classe D/E (proporção era de 23% em 2016) e 34% das residências da área rural (em 2016, era 26%). Já nas classes A e B, as proporções atingem, respectivamente, 99% e 93%. Além disso, 19% dos domicílios conectados não possuem computador, o que representa 13,4 milhões de residências. Essa proporção era de apenas 4% em 2014.

Segundo o estudo, o preço da conexão permanece como principal motivo mencionado para a ausência de Internet nos domicílios: 27% dos entrevistados afirmam que o serviço é caro. “O dado revela ser cada vez mais essencial o investimento em infraestrutura e em políticas públicas que possibilitem que todos os brasileiros possam ter acesso à Internet em suas casas, sem distinção de classe social ou região geográfica”, pontua Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

No que diz respeito ao principal tipo de conexão, a TIC Domicílios 2017 registrou estabilidade em relação ao ano anterior, seja por residência conectada por banda larga fixa (64%) ou móvel 3G ou 4G (25%). O acesso móvel, no entanto, continua sendo mais utilizado do que o fixo por domicílios de classes D/E (48%).

Usuários de internet

A proporção de usuários de internet no Brasil cresceu seis pontos percentuais, passando de 61% (2016) para 67% (2017). Em números absolutos, 120,7 milhões de brasileiros acessam a rede, sendo que nas áreas urbanas essa proporção é de 71%. Ainda de acordo com a pesquisa, 87% deles usam a internet todos os dias ou quase todos os dias.

Já em relação ao dispositivo para acesso individual, mais uma vez a pesquisa aponta a preferência pelo celular, utilizado por quase a totalidade dos usuários (96%). Observou-se ainda um crescimento da televisão, utilizada por 22% dos usuários para conectar-se à internet. Essa proporção em 2014 era de 7%.

As atividades mais mencionadas durante o uso da internet continuam sendo o envio de mensagens (90%) e o uso de redes sociais (77%), porém o acesso a conteúdos audiovisuais tem apresentado crescimento nos últimos anos. A proporção dos usuários de internet que assistiu a vídeos na internet ou ouviu músicas online foi de 71% em 2017, o que representa 85 milhões de pessoas. Em relação aos serviços de governo eletrônico utilizados, os mais citados foram direitos do trabalhador e previdência (28%) e educação pública (28%).

Dispositivo de acesso

A pesquisa TIC Domicílios 2017 aponta que metade da população conectada acessa a internet exclusivamente pelo telefone celular, o que representa 58,7 milhões de brasileiros. Pela primeira vez na série histórica, o estudo mostra que a proporção de usuários que acessa a rede apenas pelo celular (49%) superou a que combina celular e computador (47%).

O perfil de uso exclusivo pelo celular é mais comum entre os usuários de classe D/E (80%) e de áreas rurais (72%). Isto reflete uma realidade em que os cidadãos de baixa renda não possuem múltiplos dispositivos de acesso à internet como acontece no caso das classes A e B. Esse perfil também é superior entre as mulheres (53%) em relação aos homens (45%).

Em sua 13ª edição, a TIC Domicílios realizou entrevistas em mais de 23 mil domicílios em todo o território nacional, entre novembro de 2017 e maio de 2018 com o objetivo de medir o uso das tecnologias da informação e da comunicação nos domicílios, o acesso individual a computadores e à internet, atividades desenvolvidas na rede, entre outros indicadores.

Para acessar a TIC Domicílios 2017 na íntegra, assim como rever a série histórica, clique aqui. (Com Assessoria de Imprensa)

Fonte:TeleSintese

Posts Anteriores

  • Duas toneladas de fios irregulares são recolhidas no Centro do Recife | Anatel

    Duas toneladas de fios irregulares são recolhidas no Centro do Recife | Anatel

    Duas toneladas de fios de redes irregulares de telecomunicação foram recolhidas na manhã desta segunda-feira (30) em postes na Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife, durante o primeiro dia da ação realizada pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) com o apoio da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU).

  • ANATEL FAZ NOVA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO SERVIÇO DE TELECOM

    ANATEL FAZ NOVA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO SERVIÇO DE TELECOM

    Bancos pequenos e médios vão se tornar mais competitivos no mercado de emissão de boletos de pagamento. Uma das principais barreiras para a entrada das instituições de pequeno porte nesse mercado era a falta de uma ampla rede de agências no país nas quais esses boletos poderiam ser pagos, mas essa realidade começa a mudar com a nova regra para a cobrança desses documentos.

  • ACESSO À INTERNET CHEGA A 61% DOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS, DIZ CETIC.BR | Anatel

    ACESSO À INTERNET CHEGA A 61% DOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS, DIZ CETIC.BR | Anatel

    Bancos pequenos e médios vão se tornar mais competitivos no mercado de emissão de boletos de pagamento. Uma das principais barreiras para a entrada das instituições de pequeno porte nesse mercado era a falta de uma ampla rede de agências no país nas quais esses boletos poderiam ser pagos, mas essa realidade começa a mudar com a nova regra para a cobrança desses documentos.

  • Anatel aprova PGMC com nova definição de Prestador de Serviço de Pequeno Porte

    Anatel aprova PGMC com nova definição de Prestador de Serviço de Pequeno Porte

    Bancos pequenos e médios vão se tornar mais competitivos no mercado de emissão de boletos de pagamento. Uma das principais barreiras para a entrada das instituições de pequeno porte nesse mercado era a falta de uma ampla rede de agências no país nas quais esses boletos poderiam ser pagos, mas essa realidade começa a mudar com a nova regra para a cobrança desses documentos.

  • Para superar conflitos, Anatel esclarece as condições de interrupção da interconexão

    Para superar conflitos, Anatel esclarece as condições de interrupção da interconexão

    Bancos pequenos e médios vão se tornar mais competitivos no mercado de emissão de boletos de pagamento. Uma das principais barreiras para a entrada das instituições de pequeno porte nesse mercado era a falta de uma ampla rede de agências no país nas quais esses boletos poderiam ser pagos, mas essa realidade começa a mudar com a nova regra para a cobrança desses documentos.