Agências garantem apresentar ainda este ano nova proposta de regras para uso de postes

Em audiência pública na Câmara, representantes da Anatel e Aneel reconheceram as dificuldades para enfrentar a regularização das redes e para definição de preço

O superintendente de Competição da Anatel, Abraão Barbosa e Silva, disse, nesta quinta-feira, 5, que, é preciso mudar a regulação do uso dos postes pelo setor de telecomunicações, com foco na regularização do legado, mas sem deixar de levar em conta a questão do preço. “Hoje, provedores regionais pagam mais que as grandes operadoras, o que causa problema concorrência”, disse.

Silva afirmou que tanto a Anatel como a Aneel estão se esforçando para se chegar a um texto que seja bom para todos os agentes, prevendo ações estruturais e conjunturais. Segundo o superintendente, a questão dos postes já ultrapassou os limites dos setores de telecomunicações e energia e hoje é discutida também pelo Ministério Público, prefeituras e justiça. “Precisamos, portanto, de ações de curto prazo para dar respostas a esses novos agentes.

Silva foi um dos convidados da audiência pública promovida conjuntamente por três comissões da Câmara dos Deputados. O superintendente da Anatel informou que, ainda este ano, será apresentada a nova proposta de regulação, que passará por consulta pública. Ele não adiantou que medidas estão sendo estudadas, mas afirmou que a meta atual de regularização dos postes vai demorar 300 anos a um custo estimado de R$ 20 bilhões, valor que corresponde a mais da metade do que todas as operadoras de telecomunicações investem por ano, que é de cerca de R$ 30 bilhões.

O país tem em torno de 45 milhões de postes, mas os problemas estão concentrados em 23% deles, ou seja, cerca de 11 milhões, que estão colocados em 25% dos municípios onde há mais demanda pelos serviços de telecomunicações e onde se concentram 70% da população brasileira. “É um passivo significativo, que precisa ser endereçado”, disse Silva.

Silva reconhece que o uso desordenado dos postes por parte das operadoras de telecomunicações traz riscos para a população, causa impacto urbano negativo e provocam danos concorrenciais. Ressaltou ainda que as distribuidoras de energia também pecam por praticar preços discriminatórios.

O superintendente disse que a busca por a infraestrutura dos postes tende a se agravar com a chegada da tecnologia 5G, que demandará mais redes. Por isso, defende a atualização das normas técnicas em vigor, totalmente desatualizadas.

Aneel

O diretor da Aneel, Carlos Alberto Mattar, disse que o uso desordenado e irregular dos postes, além dos problemas técnicos e de riscos para a população, causa prejuízos para as distribuidoras de energia, que deixam de receber o valor pelo aluguel da infraestrutura. “Hoje predominam a ocupação clandestina ou à revelia”, disse.

Mattar criticou a Anatel por dar autorização para prestação de serviços de telecomunicações indiscriminadamente, sem ter noção se as operadoras têm condições de ofertar o serviço. Segundo ele, a agência deveria pedir a comprovação de regularidade contratual com as distribuidoras de energia para que as empresas possam ser autorizadas.

O diretor da Aneel também garantiu que a proposta da nova regulamentação em substituição a Resolução Conjunta nº 4, será apresentada ainda este ano.

A audiência pública foi realizada pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Desenvolvimento Urbano; e de Minas e Energia.

Fonte: PontoISP

Você sabe como tirar sua licença Anatel?

A VianaTel pode te ajudar! Faça um orçamento sem compromisso!

Posts Anteriores

  • Anatel publica nova versão do Plano de Faixas de Frequência

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Outubro fecha com mais 87 outorgas de SCM publicadas

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Cidade de São Paulo apresenta desigualdade no acesso à banda larga

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Anatel define os mandatos das entidades no CPPP

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Anatel confirma o perfil dos prestadores de pequeno porte, com menor carga regulatória

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

2019-09-11T15:55:37+00:00
× Whatsapp