Anatel quer ampliar serviços sem outorga. Abranet e operadoras contestam

PARA A ENTIDADE MUITAS EMPRESAS COM UM ÚNICO CONTROLADOR TÊM MAIS DE UMA EMPRESA NACIONAL, O QUE SERIA PROIBIDO PELAS REGRAS DA AGÊNCIA.

A consulta pública 38 de 2018, de Reavaliação do Modelo de Outorga e Licenciamento de Estações de Telecomunicações, cujo prazo para a apresentação de contribuições já se encerrou, traz não só  proposta de balcão único para as outorgas de telecom, ou  substituição da taxa do Fistel para os aparelhos celulares, por um novo imposto, conforme já publicou o Tele.Síntese. Os documentos sugerem também acabar com a obrigatoriedade de outorgas para mais serviços de telecomunicações, além do SCM, ja liberado. A agência quer o fim da licença para serviços  como o de telefonia fixa e de TV paga  para as operadoras de pequeno porte.

Anatel

Conforme a Anatel, as pequenas empresas de telecomunicações, ou PPP (Prestador de Pequeno Porte) são todas as  que possuem até 5% do participação de mercado nacional de telecomunicações. Essa definição passou a ser adotada para o serviço de SCM, ou de banda larga fixa. Com os novos regulamentos, passam a ficar dispensados de outorga também os PPPs que prestarem serviços de telefonia fixa e até mesmo de TV paga.

Para a prestação do STFC, conforme a sugestão do relator, ex-conselheiro Otávio Rodrigues, só ficarão dispensadas de licenciamento as pequenas empresas que prestarem o serviço sem numeração específica, caso contrário, terão que pedir outorga. Mas para o serviço de SeAC, ou de TV por Assinatura, Rodrigues não estabeleceu  qualquer condicionamento.

Abranet

Diferentes empresas e entidades não concordam com a proposta da agência, de ampliar o leque de serviços sem licença. A Abranet, por exemplo, em resposta à consulta, apontou uma série de problemas com essa possível liberalização de licenças.

“As incertezas com relação aos processos de outorga geram hoje diversas situações prejudiciais ao setor e a população. Exemplos, a) mais de uma empresa criadas por um mesmo grupo controlador, com outorgas nacionais, simplesmente porque esta situação é utilizada para manter empresas nos limites do Simples Nacional. b) empresas com outorga nacional que não possui condições financeiras para atuar sequer em um município, disputando recursos escassos e infraestruturas com outras empresas, e em muitos casos fazendo uso não autorizado de infraestruturas de terceiros. c) empresas que utilizam equipamentos não certificados e instalações que não atendem as regras da boa engenharia. As situações mencionadas prejudicam o mercado e as empresas, pequenas ou não, que buscam atender as regras mínimas para a execução dos serviços que prestam”, afirma Abranet. 

A Claro, por sua vez, argumenta que a consulta não poderia apresentar a sugestão do fim dessas licenças, tendo em vista que não há análise de impacto regulatório.

Segundo a Claro, o fim das licenças já provocou aumento de furtos nas redes das operadoras licenciadas. ” Hoje as prestadoras de SCM com menos de 5.000 usuários já estão dispensadas de outorgas, mas fato é que temos encontrado um aumento significativo no número de furtos/roubos de cabos para a utilização na prestação clandestina do Serviço de Comunicação Multimídia, bem como na própria replicação do sinal da Claro para a revenda de serviços de telecomunicações”, afirmou a empresa.  

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Justiça manda Anatel exigir licença ambiental para autorizar antena

    A instalação de antenas no país, que já é uma tarefa complicada, ganha mais um obstáculo. A Justiça Federal determinou a Anatel que passe a exigir a licença ambiental das estações de telecomunicação. A decisão, expedida sob tutela de urgência, determina também que a agência condicione qualquer tipo de autorização de funcionamento das estações ao licenciamento ambiental.

  • Sua operadora está preparada para a Lei de Proteção de Dados? Comece já!

    A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), só começa a valer em agosto de 2020. Mas a sua empresa tem muito pouco tempo para se adaptar, apesar dos meses que ainda restam. O alerta foi feito hoje, 8, por Elisa Leonel, superintendente de Relações com os Consumidores da Anatel, durante o 46 Encontro de Provedores Regionais, promovido pela Bit Social, com apoio da Momento Editorial.

  • Pesquisa da Ouvidoria vê usuários dos serviços da Anatel satisfeitos

    Os usuários dos serviços prestados pela Anatel estão satisfeitos. Esse é o resumo da pesquisa feita pela Ouvidoria da agência reguladora em 2018. A avaliação chegou a 4,39 numa escala que vai de 1 a 6, sendo 1 totalmente insatisfeito e 6 muito satisfeito. Das quatro atividades pesquisadas, a melhor avaliação foi para outorga dos serviços de telecomunicações, que obteve 4,72 pontos.

  • PL do Senado prevê repasse às prefeituras de parte do aluguel de postes

    O Senado Federal vai decidir se as empresas de distribuição de energia elétrica, que compartilham postes ou dutos com outras companhias, terão que pagar um percentual às prefeituras. Isso é o que propõe o projeto de lei do Senado (PLS 310/2018) do ex-senador Eduardo Lopes (PRB-RJ). A matéria está na Comissão de Serviços de Infraestrutura, aguardando a definição de relator.

  • ISPs estão preparados para suportar consultas médicas virtuais

    Se depender dos provedores regionais, a consulta médica virtual poderá atender a moradores de pequenas cidades ou a das periferias dos grandes municípios, que hoje assinam planos de internet dessas empresas. “A grande maioria dos ISPs está usando fibra óptica, que garante conexão de alta qualidade”, afirma o diretor da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez.

2019-01-17T01:41:59+00:00
Whatsapp