Anatel quer flexibilizar regras para IoT

ENTRE AS PREOCUPAÇÕES DA AGÊNCIA ESTÃO AS REGRAS ASSIMÉTRICAS QUE EXISTEM ENTRE AS OPERAÇÕES LICENCIADAS E AS NÃO LICENCIADAS.

 

A Anatel lançou hoje, 11, tomada de subsídios para a Internet das Coisas (IoT). “Queremos saber quais são as simplificações regulatórias que poderemos fazer para estimular a IoT no Brasil”, afirmou o superintendente de Planejamento da  Anatel, Nilo Pasquali.  Essa tomada de opinião – que é ainda um instrumento anterior à consulta pública – ficará aberta a receber contribuições até  12 de outubro.

Nesse documento, a Anatel faz um diagnóstico sobre o que considera ser os principais entraves para o desenvolvimento da IoT no país. ” A tributação do Fistel, mesmo com o valor reduzido de R$ 5 que existe hoje, é um grande fator inibidor. Precisa ser zerada”, afirmou ele.

Outro problema na atual regulamentação, que no entender da Anatel,  precisa ser resolvido para destravar o desenvolvimento da Internet das Coisas, são as regras assimétricas que existem entre as licenças licenciadas e as não licenciadas. ” É preciso equalizar as diferenças, pois hoje os serviços que trafegam nas frequências licenciadas pagam taxas para os fundos como Fistel, enquanto os que trafegam em frequência não licenciada, não”, assinalou ele.

Essa assimetria mais onerosa para outorgas diferentes – a outorga de serviço coletivo recolher para os fundos setoriais enquanto a de serviço limitado privado (SLP), não – também precisa ser alterada, disse Pasquali. A Anatel quer ouvir a sociedade sobre como poder agir.

MVNO

Outro tema que, para a agência, também precisará de respostas, é o roaming permanente. Como sugestão, a Anatel pretende simplificar em muito as regras do MVNO (Operador Móvel Virtual), para que, com essa licença, as empresas possam prestar o serviço de IoT no país.

 

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Justiça manda Anatel exigir licença ambiental para autorizar antena

    A instalação de antenas no país, que já é uma tarefa complicada, ganha mais um obstáculo. A Justiça Federal determinou a Anatel que passe a exigir a licença ambiental das estações de telecomunicação. A decisão, expedida sob tutela de urgência, determina também que a agência condicione qualquer tipo de autorização de funcionamento das estações ao licenciamento ambiental.

  • Sua operadora está preparada para a Lei de Proteção de Dados? Comece já!

    A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), só começa a valer em agosto de 2020. Mas a sua empresa tem muito pouco tempo para se adaptar, apesar dos meses que ainda restam. O alerta foi feito hoje, 8, por Elisa Leonel, superintendente de Relações com os Consumidores da Anatel, durante o 46 Encontro de Provedores Regionais, promovido pela Bit Social, com apoio da Momento Editorial.

  • Pesquisa da Ouvidoria vê usuários dos serviços da Anatel satisfeitos

    Os usuários dos serviços prestados pela Anatel estão satisfeitos. Esse é o resumo da pesquisa feita pela Ouvidoria da agência reguladora em 2018. A avaliação chegou a 4,39 numa escala que vai de 1 a 6, sendo 1 totalmente insatisfeito e 6 muito satisfeito. Das quatro atividades pesquisadas, a melhor avaliação foi para outorga dos serviços de telecomunicações, que obteve 4,72 pontos.

  • PL do Senado prevê repasse às prefeituras de parte do aluguel de postes

    O Senado Federal vai decidir se as empresas de distribuição de energia elétrica, que compartilham postes ou dutos com outras companhias, terão que pagar um percentual às prefeituras. Isso é o que propõe o projeto de lei do Senado (PLS 310/2018) do ex-senador Eduardo Lopes (PRB-RJ). A matéria está na Comissão de Serviços de Infraestrutura, aguardando a definição de relator.

  • ISPs estão preparados para suportar consultas médicas virtuais

    Se depender dos provedores regionais, a consulta médica virtual poderá atender a moradores de pequenas cidades ou a das periferias dos grandes municípios, que hoje assinam planos de internet dessas empresas. “A grande maioria dos ISPs está usando fibra óptica, que garante conexão de alta qualidade”, afirma o diretor da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez.

2018-09-21T20:09:46+00:00
Whatsapp