Mob lança solução de proteção contra ataques DDoS | Anatel

A solução atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal continue.

A MOB Telecom está trabalhando com uma solução de segurança que fornece proteção contra a investida de usuários mal intencionados. O MOB Anti-DDoS atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal dos servidores continue.

Segundo a empresa, a solução detecta e mitiga o ataque DDoS garantindo proteção tanto para o cliente quanto para o provedor.

O Brasil registrou 30 ataques DDoS (Distributed Denial of Service ou negação de serviço distribuída) por hora em 2017, totalizando 728 por dia e 264.900 no ano. De acordo com o 13º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global de Redes, da Arbor Networks, os provedores de acesso, em especial os pequenos e médios, foram os principais alvos desses ataques.

Num ataque DDoS, o usuário mal intencionado aproveita uma brecha do sistema para
ter comando sobre vários computadores, transformando-os em uma rede de
computadores-zumbis, que lança ataques conjuntos às redes de empresas, hospitais,
indústrias, provedores e universidades, entre outras vítimas, esgotando seus recursos
e tornando sites e serviços indisponíveis.

“Os ataques de DDoS estão cada vez mais destrutivos e complexos, e oferecer aos
clientes serviços que evitem a indisponibilidade dos sistemas é essencial para os
provedores”, disse Sayde Bayde, sócio-diretor da Mob Telecom.

Quando um provedor sofre ataques de DDoS, é comum que a equipe de segurança
recorra a rotas nulas, limite de tráfego e limite de pacotes para atenuar ou acabar com
os ataques. O MOB Anti-DDoS acaba com a dependência desses recursos, pois usa um processo de inspeção e análise de múltiplos estágios que combina verificações de RFC,
análise de protocolo, listas de controle de acesso, reputação de IP, análise algorítmica
L4-L7, análise de comportamento de usuário, expressões regulares e limitação de
conexão/taxa para atenuar os ataques.

De acordo com a empresa, além de defender contra ataques na camada de transporte, como SYN Flood e IP Fragmented Flood, o MOB Anti-DDoS também protege as aplicações, como HTTP,
Get/Post Flood, DNS e servidores de jogos, áudio e vídeo.

“Essa abordagem ampla e multicamadas leva a taxas mais baixas de falsos positivos e
negativos em comparação com qualquer outra tecnologia, pois é altamente precisa e
eficaz”, explicou Bayde. “Quando integrado com outras soluções de segurança da MOB,
como SdWan e firewall, o Anti-DDoS garante a integridade dos dados importantes e
sigilosos de uma empresa, seja ela um provedor, seja ela um banco, um grande site de
e-commerce ou um órgão do governo”.

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Anatel quer ampliar serviços sem outorga. Abranet e operadoras contestam

    A consulta pública 38 de 2018, de Reavaliação do Modelo de Outorga e Licenciamento de Estações de Telecomunicações, cujo prazo para a apresentação de contribuições já se encerrou, traz não só proposta de balcão único para as outorgas de telecom, ou substituição da taxa do Fistel para os aparelhos celulares, por um novo imposto, conforme já publicou o Tele.Síntese. Os documentos sugerem também acabar com a obrigatoriedade de outorgas para mais serviços de telecomunicações, além do SCM, ja liberado. A agência quer o fim da licença para serviços como o de telefonia fixa e de TV paga para as operadoras de pequeno porte.

  • Furukawa lança família de microcabos ópticos

    A Furukawa lançou recentemente uma família de microcabos ópticos, destinados à instalação em microdutos por meio da técnica de sopramento. A nova linha tem como objetivo ajudar as empresas a superarem a falta de espaço nos postes das distribuidoras de energia elétrica e os transtornos causados pelo enterramento dos cabos que levam banda larga até as residências.

  • banda larga movel

    “A regulação dos pequenos provedores é ilegal”, diz CEO da Claro Brasil

    O presidente da Claro Brasil, há 12 anos no grupo da América Móvil, quase não aparece em Brasília e pouco frequenta os grandes eventos nacionais ou mundiais de telecomunicações, quando são apresentadas as novas tecnologias ou debatidas as principais agendas do setor. Mas isso não o impede de estar sempre antenado com as últimas tendências tecnológicas ou de ter posições firmes sobre questões regulatórias ou legais. E manteve essa mesma postura em nova conversa com o Tele.Síntese, cujos principais pontos da entrevista estão aqui publicados.

  • Mob lança solução de proteção contra ataques DDoS | Anatel

    A MOB Telecom está trabalhando com uma solução de segurança que fornece proteção contra a investida de usuários mal intencionados. O MOB Anti-DDoS atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal dos servidores continue.

  • Anatel estende prazo para indicações ao Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte

    A Anatel estendeu até o dia 31 de janeiro de 2019 o prazo para  as entidades de prestadores de pequeno porte indicarem representantes às vagas de membros do Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte de Serviços de Telecomunicações (CPPP) junto à Anatel. A prorrogação do prazo foi divulgada, nesta segunda-feira (17), pelo Edital nº 70/2018. De acordo com o Edital anterior (Edital nº 68/2018), originalmente o término do prazo era o dia 5 de janeiro.

2019-01-08T11:57:00+00:00