Mob lança solução de proteção contra ataques DDoS | Anatel

A solução atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal continue.

A MOB Telecom está trabalhando com uma solução de segurança que fornece proteção contra a investida de usuários mal intencionados. O MOB Anti-DDoS atua na infraestrutura de rede desviando o fluxo de dados incomum nos endereços IP sob ataque, ao mesmo tempo em que permite que o tráfego normal dos servidores continue.

Segundo a empresa, a solução detecta e mitiga o ataque DDoS garantindo proteção tanto para o cliente quanto para o provedor.

O Brasil registrou 30 ataques DDoS (Distributed Denial of Service ou negação de serviço distribuída) por hora em 2017, totalizando 728 por dia e 264.900 no ano. De acordo com o 13º Relatório Anual sobre Segurança da Infraestrutura Global de Redes, da Arbor Networks, os provedores de acesso, em especial os pequenos e médios, foram os principais alvos desses ataques.

Num ataque DDoS, o usuário mal intencionado aproveita uma brecha do sistema para
ter comando sobre vários computadores, transformando-os em uma rede de
computadores-zumbis, que lança ataques conjuntos às redes de empresas, hospitais,
indústrias, provedores e universidades, entre outras vítimas, esgotando seus recursos
e tornando sites e serviços indisponíveis.

“Os ataques de DDoS estão cada vez mais destrutivos e complexos, e oferecer aos
clientes serviços que evitem a indisponibilidade dos sistemas é essencial para os
provedores”, disse Sayde Bayde, sócio-diretor da Mob Telecom.

Quando um provedor sofre ataques de DDoS, é comum que a equipe de segurança
recorra a rotas nulas, limite de tráfego e limite de pacotes para atenuar ou acabar com
os ataques. O MOB Anti-DDoS acaba com a dependência desses recursos, pois usa um processo de inspeção e análise de múltiplos estágios que combina verificações de RFC,
análise de protocolo, listas de controle de acesso, reputação de IP, análise algorítmica
L4-L7, análise de comportamento de usuário, expressões regulares e limitação de
conexão/taxa para atenuar os ataques.

De acordo com a empresa, além de defender contra ataques na camada de transporte, como SYN Flood e IP Fragmented Flood, o MOB Anti-DDoS também protege as aplicações, como HTTP,
Get/Post Flood, DNS e servidores de jogos, áudio e vídeo.

“Essa abordagem ampla e multicamadas leva a taxas mais baixas de falsos positivos e
negativos em comparação com qualquer outra tecnologia, pois é altamente precisa e
eficaz”, explicou Bayde. “Quando integrado com outras soluções de segurança da MOB,
como SdWan e firewall, o Anti-DDoS garante a integridade dos dados importantes e
sigilosos de uma empresa, seja ela um provedor, seja ela um banco, um grande site de
e-commerce ou um órgão do governo”.

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Anatel vai premiar pequenas prestadoras por bom atendimento ao consumidor

    A Anatel vai premiar práticas inovadoras de prestadoras de serviços de telecomunicações voltadas ao atendimento dos consumidores. A escolha do tema do Prêmio Anatel – Prática Inovadora 2019, lançado esta semana pela agência, tem por objetivo incentivar a criação de soluções para um dos problemas do setor, que é o da qualidade do atendimento. Um dos prêmios irá para pequenos prestadores.

  • Postes: provedores precisam recorrer à Justiça para comissão Anatel-Aneel julgar processos

    No dia 7 de março deste ano, o juiz substituto Márcio de França Moreira, da 8ª Vara do DF, determinou em sentença que, em 40 dias, a comissão arbitral Anatel-Aneel de resolução de conflitos relativos à aluguel de postes se manifeste sobre o processo da Leste Flu Serviços de Telecomunicações no qual aciona a Ampla Energia e Serviços S/A. O provedor, com sede em Itaboraí, no Rio de Janeiro, recorreu à Justiça porque seu processo estava na comissão desde agosto de 2018, sem ser analisado.

  • PEQUENAS PRESTADORAS RESPONDEM POR 90% DA EXPANSÃO DA BANDA LARGA NO ANO

    O país fechou janeiro deste ano, segundo dados divulgados pela Anatel, com 31,1 milhões de contratos ativos de banda larga, crescimento de 6,1% em 12 meses (mais 1,8 milhão de assinantes). Os grandes responsáveis pela expansão da base no período foram os provedores regionais de acesso à internet – cerca de 90% dos novos acessos são clientes de suas empresas.

  • CÂMARA RETOMA PROJETO QUE ZERA TAXAS SOBRE IOT

    A Câmara dos Deputados deverá retomar na próxima semana a apreciação do Projeto de Lei 7656/17, do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), que elimina taxas e contribuições incidentes sobre as estações móveis de serviços de telecomunicações dos sistemas de comunicação máquina a máquina, mais conhecidos como internet das coisas ou IoT (internet of Things). Essa proposta é vista por especialistas em telecom como uma antecipação necessária do Legislativo para reduzir a carga tributária não somente dos dispositivos móveis M2M, sem intervenção humana, já em vigor, como também para esses mesmos dispositivos que exigem intervenção humana. O governo ainda não fixou data para editar medida sobre a regulamentação sobre IoT.

  • LEIS ESTADUAIS QUE CRIAM OBRIGAÇÕES PARA TELES SÃO CONTESTADAS NO STF

    Leis estaduais que criam obrigações para prestadores de serviços de telefonia e internet são contestadas no Supremo Tribunal Federal (STF). A Associação das Operadoras de Celulares (Acel) e a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix) ajuizaram cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), com pedidos de liminar, contra as normas dos estados de Pernambuco (ADI 6086), Amazonas (ADIs 6087 e 6088), Ceará (ADI 6089) e Rio de Janeiro (ADI 6094). Em todas as ações, as associações afirmam que é competência privativa da União legislar sobre telecomunicações.

2019-01-08T11:57:00+00:00
Whatsapp