Anatel pretende acelerar a adoção do novo critério de prestador de pequeno porte

Para o superintendente de competição da Anatel, Abraão Balbino e Silva, as prestadoras precisam analisar como a sustentabilidade do ecossistema de telecomunicações se encontra hoje e identificar o que está acontecendo para se reposicionar no mercado. Ele participou nesta quarta-feira, 3, do seminário : “o novo ecossistema digital: a sustentabilidade dos modelos de negócio”, promovido pela própria Anatel. Para ele, a tecnologia 5G pode ser uma oportunidade para as prestadoras se reposicionarem.

O superintendente comentou sobre a perda de valor agregado das operadoras no período de 2005 a 2015, após a inovação e a mudança de modelo de negócio da banda larga móvel. “Eu sei que os dados são um pouco antigos, mas de 2005 a 2009, 49% do que a indústria gerava estava concentrado em telecomunicação. Porém, de 2010 a 2014, a produção caiu para 37%”, comentou.

O superintendente também afirmou que  as operadoras de telecom passam por uma “crise de identidade regulatória”, e que a transformação digital exige novos modelos de negócios e de gestão: repensar a relação de proximidade com o cliente e novas táticas que precisam ser colocadas em prática pelas empresas. Para ele, a questão regulação precisa ser repensada e há a necessidade de refletir e visualizar os espaços para inovação.

Cliente

Para Fred Mendes, analista sênior de telecomunicações e mídia do Bradesco, uma das alternativas para crescer é melhorar o relacionamento com o cliente. “Há espaço para uma melhor eficiência. As regras estão definidas. Tem que se buscar melhores alternativas para crescer. Hoje, em média, as empresas estão investindo cerca de 20% do que valem para manter as coisas como estão. Para ser sustentável, é preciso olhar para dentro e conhecer melhor o seu cliente, oferecendo o que realmente ele demanda”, afirma o executivo, que também participou do evento.

Para Lucrecia Corvalan, sênior Policy Manager Latin America da GSMA, é preciso analisar o ecossistema digital para se avaliar a regulamentação. “O marco regulatório tem que ser flexível. O regulador setorial deve acompanhar a dinâmica de mercado para lidar melhor com o setor”, comentou a executiva, que também participou do evento da Anatel.

O representante da Cullen International, André Moura , disse que a crise de identidade regulatória precisa ser tratada de alguma forma. “É preciso pensar em uma redefinição do papel de regulador de telecom. Neste momento, a tendência é renovação dos modelos de negócio. Porém, permanece o mesmo escopo de regulação de negócio”. O executivo citou como exemplo a união de todas as agencias em um grande órgão regulador, ocorrida na Colômbia. No entanto, reconheceu que uma discussão como esta iria demandar muito tempo.

Fonte:TeleTime

Posts Anteriores

  • Justiça manda Anatel exigir licença ambiental para autorizar antena

    A instalação de antenas no país, que já é uma tarefa complicada, ganha mais um obstáculo. A Justiça Federal determinou a Anatel que passe a exigir a licença ambiental das estações de telecomunicação. A decisão, expedida sob tutela de urgência, determina também que a agência condicione qualquer tipo de autorização de funcionamento das estações ao licenciamento ambiental.

  • Sua operadora está preparada para a Lei de Proteção de Dados? Comece já!

    A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), só começa a valer em agosto de 2020. Mas a sua empresa tem muito pouco tempo para se adaptar, apesar dos meses que ainda restam. O alerta foi feito hoje, 8, por Elisa Leonel, superintendente de Relações com os Consumidores da Anatel, durante o 46 Encontro de Provedores Regionais, promovido pela Bit Social, com apoio da Momento Editorial.

  • Pesquisa da Ouvidoria vê usuários dos serviços da Anatel satisfeitos

    Os usuários dos serviços prestados pela Anatel estão satisfeitos. Esse é o resumo da pesquisa feita pela Ouvidoria da agência reguladora em 2018. A avaliação chegou a 4,39 numa escala que vai de 1 a 6, sendo 1 totalmente insatisfeito e 6 muito satisfeito. Das quatro atividades pesquisadas, a melhor avaliação foi para outorga dos serviços de telecomunicações, que obteve 4,72 pontos.

  • PL do Senado prevê repasse às prefeituras de parte do aluguel de postes

    O Senado Federal vai decidir se as empresas de distribuição de energia elétrica, que compartilham postes ou dutos com outras companhias, terão que pagar um percentual às prefeituras. Isso é o que propõe o projeto de lei do Senado (PLS 310/2018) do ex-senador Eduardo Lopes (PRB-RJ). A matéria está na Comissão de Serviços de Infraestrutura, aguardando a definição de relator.

  • ISPs estão preparados para suportar consultas médicas virtuais

    Se depender dos provedores regionais, a consulta médica virtual poderá atender a moradores de pequenas cidades ou a das periferias dos grandes municípios, que hoje assinam planos de internet dessas empresas. “A grande maioria dos ISPs está usando fibra óptica, que garante conexão de alta qualidade”, afirma o diretor da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez.

2018-10-04T13:23:32+00:00
Whatsapp