Anatel pretende acelerar a adoção do novo critério de prestador de pequeno porte

Para o superintendente de competição da Anatel, Abraão Balbino e Silva, as prestadoras precisam analisar como a sustentabilidade do ecossistema de telecomunicações se encontra hoje e identificar o que está acontecendo para se reposicionar no mercado. Ele participou nesta quarta-feira, 3, do seminário : “o novo ecossistema digital: a sustentabilidade dos modelos de negócio”, promovido pela própria Anatel. Para ele, a tecnologia 5G pode ser uma oportunidade para as prestadoras se reposicionarem.

O superintendente comentou sobre a perda de valor agregado das operadoras no período de 2005 a 2015, após a inovação e a mudança de modelo de negócio da banda larga móvel. “Eu sei que os dados são um pouco antigos, mas de 2005 a 2009, 49% do que a indústria gerava estava concentrado em telecomunicação. Porém, de 2010 a 2014, a produção caiu para 37%”, comentou.

O superintendente também afirmou que  as operadoras de telecom passam por uma “crise de identidade regulatória”, e que a transformação digital exige novos modelos de negócios e de gestão: repensar a relação de proximidade com o cliente e novas táticas que precisam ser colocadas em prática pelas empresas. Para ele, a questão regulação precisa ser repensada e há a necessidade de refletir e visualizar os espaços para inovação.

Cliente

Para Fred Mendes, analista sênior de telecomunicações e mídia do Bradesco, uma das alternativas para crescer é melhorar o relacionamento com o cliente. “Há espaço para uma melhor eficiência. As regras estão definidas. Tem que se buscar melhores alternativas para crescer. Hoje, em média, as empresas estão investindo cerca de 20% do que valem para manter as coisas como estão. Para ser sustentável, é preciso olhar para dentro e conhecer melhor o seu cliente, oferecendo o que realmente ele demanda”, afirma o executivo, que também participou do evento.

Para Lucrecia Corvalan, sênior Policy Manager Latin America da GSMA, é preciso analisar o ecossistema digital para se avaliar a regulamentação. “O marco regulatório tem que ser flexível. O regulador setorial deve acompanhar a dinâmica de mercado para lidar melhor com o setor”, comentou a executiva, que também participou do evento da Anatel.

O representante da Cullen International, André Moura , disse que a crise de identidade regulatória precisa ser tratada de alguma forma. “É preciso pensar em uma redefinição do papel de regulador de telecom. Neste momento, a tendência é renovação dos modelos de negócio. Porém, permanece o mesmo escopo de regulação de negócio”. O executivo citou como exemplo a união de todas as agencias em um grande órgão regulador, ocorrida na Colômbia. No entanto, reconheceu que uma discussão como esta iria demandar muito tempo.

Fonte:TeleTime

Posts Anteriores

  • Infinera projeta vender até US$ 300 milhões em equipamentos para ISPs em um ano

    O Ministério do Planejamento suspendeu, nesta quarta-feira (17), a licitação de serviço em nuvem, que atenderia a diversos órgãos da administração pública federal. O pregão estava marcado para esta quinta-feira (18). Não foi informado se a compra será retomada.

  • GOVERNO SUSPENDE LICITAÇÃO PARA SERVIÇO DE NUVEM

    O Ministério do Planejamento suspendeu, nesta quarta-feira (17), a licitação de serviço em nuvem, que atenderia a diversos órgãos da administração pública federal. O pregão estava marcado para esta quinta-feira (18). Não foi informado se a compra será retomada.

  • BNDES ESCOLHE ESTA SEMANA PROJETOS DE IOT A SEREM FINANCIADOS | BNDS

    O analista de infraestrutura do Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações, Guilherme de Paula Corrêa, disse hoje, durante o painel Futurecom, que até sexta-feira, dia 19, o BNDES terá selecionado os projetos que irão ser contemplados com financiamento para o desenvolvimento da IoT (Internet das Coisas).

  • ALGAR TELECOM AMPLIA REDE DE FTTH

    Até o fim de 2019, cerca de 70% dos domicílios dos 87 municípios da área de concessão da Algar Telecom vão ter infraestrutura de fibra óptica. Em algumas cidades, a cobertura na área urbana vai chegar a 98% do total. Serão mais de 2.300 km de rede FTTH (Fiber-to-the-Home), que garantem a conexão via fibra óptica dentro da residência do cliente. O investimento faz parte da estratégia da empresa de aprimorar a experiência dos seus clientes do segmento varejo e micro e pequenas empresas (MPE).

  • ANATEL QUER OUVIR SOCIEDADE SOBRE PROPOSTA DE OUTORGA ÚNICA DE SERVIÇO

    A Anatel abriu, nesta segunda-feira (8), consulta pública para submeter a comentários e sugestões do público geral o Projeto Estratégico de Reavaliação do Modelo de Outorga e Licenciamento de Estações e propostas de alterações regulamentares e legislativas decorrentes. As propostas trazem alterações significativas e podem resultar, entre outros efeitos, na isenção de taxa de fiscalização de funcionamento (TFF) das estações móveis e destinadas a M2M. Tal medida teria impacto de R$ 2,2 bilhões na arrecadação anual do Fistel.

2018-10-04T13:23:32+00:00