PLC 79 VAI SER APRECIADO POR COMISSÃO ANTES DE IR AO PLENÁRIO DO SENADO | PLC79

Senador Vanderlan Cardoso, presidente da CCT, considera remota a aprovação de requerimento de urgência para a votação de emendas ao novo marco das telecomunicações diretamente no plenário do Senado

Os 17 senadores da Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCT) do Senado vão apreciar o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 79 antes de a matéria ir ao plenário da Casa.  É dessa forma que o presidente da CCT, senador Vanderlan Cardoso (PP-GO), prevê encaminhar a tramitação da proposta sobre o novo marco regulatório das telecomunicações, de acordo com sua assessoria.

Esse encaminhamento afasta a hipótese de aprovação de pedido de urgência para votação direta em plenário, estratégia que tornaria mais fácil a rejeição das 16 emendas apresentadas pelos senadores Humberto Costa (PE) e Paulo Rocha (PA). A aprovação em alteração do texto original evitaria que fosse devolvido à Câmara dos Deputados.

Se a urgência vier a ser aprovada antes da apreciação na CCT, a nova relatora do PLC na comissão, senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), designada na quarta-feira, dia 20, poderia apresentar seu parecer  diretamente ao plenário da Casa, abreviando a tramitação da matéria. Ela é líder do PP, mesmo partido do presidente da comissão.

De acordo com o senador, a possibilidade de enviar a matéria diretamente para o plenário, sem que seja apreciada na CCT, é bastante remota. Segundo a assessoria, Cardoso sabe da importância do tema e da responsabilidade que tem e, portanto, a matéria irá passar pela comissão.

Assinaturas

A ideia de apresentação de requerimento de urgência foi levantada ao Tele.Síntese pelo autor do PLC, o ex-deputado Daniel Vilela (MDB-GO), candidato derrotado a governador e aliado político de Cardoso nas eleições de 2018.

Segundo Vilela, o líder do governo no Senado poderia colher assinaturas de líderes partidários para apresentar o requerimento de urgência. Desde quarta-feira, o cargo é ocupado pelo senador Fernando Coelho Bezerra (MDB-PE) por designação do presidente Jair Bolsonaro.

“No ano passado, o Jucá [ex-senador Romero Jucá (MDB-RR)] colheu as assinaturas, mas o Eunício não quis colocar em votação no plenário”, afirmou o autor do PLC, referindo-se ao ex-presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que devolveu a matéria à CCT para análise das emendas apresentada pelos senadores do PT.

Astronauta e Educação Conectada

Estreante no Senado, Daniella Ribeiro é a primeira mulher da Paraíba a exercer uma vaga no Senado. É formada em pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), já foi professora e tem pós-graduação em relações internacionais na Universidade de Brasília (UnB).

Ela é natural de Campina Grande (PB), polo de inovação e tecnologia, e filha do atual vice-prefeito da sua cidade natal, Enivaldo Ribeiro (PP). Começou na política em 2004 e era deputada estadual antes de ser eleita ao Senado.

Na primeira reunião da CCT, realizada nessa quarta-feira, a parlamentar votou a favor de requerimento de convocação do ministro das Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o astronauta Marcos Pontes, para falar diretrizes da pasta em 2019.

Também foi aprovado pedido da senadora realização de audiência conjunta com as Comissões de Assuntos Sociais (CAS), de Educação, Cultura e Esporte (CE) e de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) com o objetivo de instruir o PLC 142/2018, que institui a Política de Inovação Educação Conectada.

Durante a primeira reunião da CCT neste ano, foi eleita a vice-presidente da comissão, a ex-juíza e senadora Selma Arruda (PSL-MT).

Fonte:TeleSintese

Posts Anteriores

  • Anatel vai premiar pequenas prestadoras por bom atendimento ao consumidor

    A Anatel vai premiar práticas inovadoras de prestadoras de serviços de telecomunicações voltadas ao atendimento dos consumidores. A escolha do tema do Prêmio Anatel – Prática Inovadora 2019, lançado esta semana pela agência, tem por objetivo incentivar a criação de soluções para um dos problemas do setor, que é o da qualidade do atendimento. Um dos prêmios irá para pequenos prestadores.

  • Postes: provedores precisam recorrer à Justiça para comissão Anatel-Aneel julgar processos

    No dia 7 de março deste ano, o juiz substituto Márcio de França Moreira, da 8ª Vara do DF, determinou em sentença que, em 40 dias, a comissão arbitral Anatel-Aneel de resolução de conflitos relativos à aluguel de postes se manifeste sobre o processo da Leste Flu Serviços de Telecomunicações no qual aciona a Ampla Energia e Serviços S/A. O provedor, com sede em Itaboraí, no Rio de Janeiro, recorreu à Justiça porque seu processo estava na comissão desde agosto de 2018, sem ser analisado.

  • PEQUENAS PRESTADORAS RESPONDEM POR 90% DA EXPANSÃO DA BANDA LARGA NO ANO

    O país fechou janeiro deste ano, segundo dados divulgados pela Anatel, com 31,1 milhões de contratos ativos de banda larga, crescimento de 6,1% em 12 meses (mais 1,8 milhão de assinantes). Os grandes responsáveis pela expansão da base no período foram os provedores regionais de acesso à internet – cerca de 90% dos novos acessos são clientes de suas empresas.

  • CÂMARA RETOMA PROJETO QUE ZERA TAXAS SOBRE IOT

    A Câmara dos Deputados deverá retomar na próxima semana a apreciação do Projeto de Lei 7656/17, do deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), que elimina taxas e contribuições incidentes sobre as estações móveis de serviços de telecomunicações dos sistemas de comunicação máquina a máquina, mais conhecidos como internet das coisas ou IoT (internet of Things). Essa proposta é vista por especialistas em telecom como uma antecipação necessária do Legislativo para reduzir a carga tributária não somente dos dispositivos móveis M2M, sem intervenção humana, já em vigor, como também para esses mesmos dispositivos que exigem intervenção humana. O governo ainda não fixou data para editar medida sobre a regulamentação sobre IoT.

  • LEIS ESTADUAIS QUE CRIAM OBRIGAÇÕES PARA TELES SÃO CONTESTADAS NO STF

    Leis estaduais que criam obrigações para prestadores de serviços de telefonia e internet são contestadas no Supremo Tribunal Federal (STF). A Associação das Operadoras de Celulares (Acel) e a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix) ajuizaram cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs), com pedidos de liminar, contra as normas dos estados de Pernambuco (ADI 6086), Amazonas (ADIs 6087 e 6088), Ceará (ADI 6089) e Rio de Janeiro (ADI 6094). Em todas as ações, as associações afirmam que é competência privativa da União legislar sobre telecomunicações.

2019-02-24T20:32:37+00:00
Whatsapp