Santander destaca equipe para acompanhar movimentação de ISPs

PARA ANALISTA DO BANCO, MAIS FUNDOS DE INVESTIMENTOS DEVERÃO DESEMBARCAR NO BRASIL PARA NOVAS NEGOCIAÇÕES DE FUSÃO E AQUISIÇÃO

As operadoras competitivas e provedores regionais de acesso devem ser os protagonistas, nos próximos anos, de movimentos de fusão e aquisição. Devem, ainda, atrair inúmeros fundos de investimentos, que vão ajudar a organizar este mercado e profissionalizá-lo. Esta é a previsão do Santander, que destacou uma equipe apenas para observar e aconselhar tais movimentos.

Para o banco, as operadoras competitivas e os provedores regionais avançaram rapidamente sobre mercados inexplorados, deixando as gigantes tradicionais de orelha em pé.

“Toda essa discussão dos players regionais de capturar o mercado de banda larga deixou a turma incomodada porque capturaram mercado dormente e com infraestrutura quase impossível de as teles grandes replicarem, quando se fala em dinheiro. Então as grandes ou se preparam para ser parceiros ou para comprar essas empresas”, avalia Valder Nogueira, diretor  de pesquisa em equity no Brasil para o banco espanhol.

Para ele, a redefinição do marco regulatório do setor, com PLC 79 e alteração do spectrum cap abrem oportunidades entre os pequenos e aquecerão o setor.  “Talvez haja mais valor fora das empresas negociadas em bolsa do que nas negociadas. Criou-se oportunidade gigantesca de eventos de fusões e aquisições ancorados na flexibilidade que a lei tá trazendo”, explicou, durante o Seminário TelComp 2018, realizado hoje em São Paulo.

Nogueira afirma que as grandes vão buscar oportunidade de olho na infraestrutura. “Em alguns casos vale mais buscar um competidor local com a infraestrutura, do que construir a própria. E podem ser parcerias de compartilhamento, também”, disse.

Para os analistas do Santander, novos fundos devem entrar no mercado brasileiro através da fusão dos pequenos. Mas vão exigir melhor governança. “Não basta plano de negócio de sucesso. A questão é como isso pode ser monetizado e percebido como algo sustentável. Deve ter estrutura societária simples, controles e processos, demonstrações financeiras auditadas, estar em conformidade fiscal e trabalhista, e ter em dia a conformidade dos projetos de rede”, ressaltou Bruno Lima, também do banco.

Já realizaram aportes em provedores regionais nos últimos dois anos fundos como Cartesian (Aloo Telecom), Patria (vogel), EB Capital (Sumicity), e GIC (Algar Telecom).

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Justiça manda Anatel exigir licença ambiental para autorizar antena

    A instalação de antenas no país, que já é uma tarefa complicada, ganha mais um obstáculo. A Justiça Federal determinou a Anatel que passe a exigir a licença ambiental das estações de telecomunicação. A decisão, expedida sob tutela de urgência, determina também que a agência condicione qualquer tipo de autorização de funcionamento das estações ao licenciamento ambiental.

  • Sua operadora está preparada para a Lei de Proteção de Dados? Comece já!

    A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), só começa a valer em agosto de 2020. Mas a sua empresa tem muito pouco tempo para se adaptar, apesar dos meses que ainda restam. O alerta foi feito hoje, 8, por Elisa Leonel, superintendente de Relações com os Consumidores da Anatel, durante o 46 Encontro de Provedores Regionais, promovido pela Bit Social, com apoio da Momento Editorial.

  • Pesquisa da Ouvidoria vê usuários dos serviços da Anatel satisfeitos

    Os usuários dos serviços prestados pela Anatel estão satisfeitos. Esse é o resumo da pesquisa feita pela Ouvidoria da agência reguladora em 2018. A avaliação chegou a 4,39 numa escala que vai de 1 a 6, sendo 1 totalmente insatisfeito e 6 muito satisfeito. Das quatro atividades pesquisadas, a melhor avaliação foi para outorga dos serviços de telecomunicações, que obteve 4,72 pontos.

  • PL do Senado prevê repasse às prefeituras de parte do aluguel de postes

    O Senado Federal vai decidir se as empresas de distribuição de energia elétrica, que compartilham postes ou dutos com outras companhias, terão que pagar um percentual às prefeituras. Isso é o que propõe o projeto de lei do Senado (PLS 310/2018) do ex-senador Eduardo Lopes (PRB-RJ). A matéria está na Comissão de Serviços de Infraestrutura, aguardando a definição de relator.

  • ISPs estão preparados para suportar consultas médicas virtuais

    Se depender dos provedores regionais, a consulta médica virtual poderá atender a moradores de pequenas cidades ou a das periferias dos grandes municípios, que hoje assinam planos de internet dessas empresas. “A grande maioria dos ISPs está usando fibra óptica, que garante conexão de alta qualidade”, afirma o diretor da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Basílio Perez.

2018-12-03T16:34:42+00:00
Whatsapp