Santander destaca equipe para acompanhar movimentação de ISPs

PARA ANALISTA DO BANCO, MAIS FUNDOS DE INVESTIMENTOS DEVERÃO DESEMBARCAR NO BRASIL PARA NOVAS NEGOCIAÇÕES DE FUSÃO E AQUISIÇÃO

As operadoras competitivas e provedores regionais de acesso devem ser os protagonistas, nos próximos anos, de movimentos de fusão e aquisição. Devem, ainda, atrair inúmeros fundos de investimentos, que vão ajudar a organizar este mercado e profissionalizá-lo. Esta é a previsão do Santander, que destacou uma equipe apenas para observar e aconselhar tais movimentos.

Para o banco, as operadoras competitivas e os provedores regionais avançaram rapidamente sobre mercados inexplorados, deixando as gigantes tradicionais de orelha em pé.

“Toda essa discussão dos players regionais de capturar o mercado de banda larga deixou a turma incomodada porque capturaram mercado dormente e com infraestrutura quase impossível de as teles grandes replicarem, quando se fala em dinheiro. Então as grandes ou se preparam para ser parceiros ou para comprar essas empresas”, avalia Valder Nogueira, diretor  de pesquisa em equity no Brasil para o banco espanhol.

Para ele, a redefinição do marco regulatório do setor, com PLC 79 e alteração do spectrum cap abrem oportunidades entre os pequenos e aquecerão o setor.  “Talvez haja mais valor fora das empresas negociadas em bolsa do que nas negociadas. Criou-se oportunidade gigantesca de eventos de fusões e aquisições ancorados na flexibilidade que a lei tá trazendo”, explicou, durante o Seminário TelComp 2018, realizado hoje em São Paulo.

Nogueira afirma que as grandes vão buscar oportunidade de olho na infraestrutura. “Em alguns casos vale mais buscar um competidor local com a infraestrutura, do que construir a própria. E podem ser parcerias de compartilhamento, também”, disse.

Para os analistas do Santander, novos fundos devem entrar no mercado brasileiro através da fusão dos pequenos. Mas vão exigir melhor governança. “Não basta plano de negócio de sucesso. A questão é como isso pode ser monetizado e percebido como algo sustentável. Deve ter estrutura societária simples, controles e processos, demonstrações financeiras auditadas, estar em conformidade fiscal e trabalhista, e ter em dia a conformidade dos projetos de rede”, ressaltou Bruno Lima, também do banco.

Já realizaram aportes em provedores regionais nos últimos dois anos fundos como Cartesian (Aloo Telecom), Patria (vogel), EB Capital (Sumicity), e GIC (Algar Telecom).

Fonte:PontoISP

Posts Anteriores

  • Eletropaulo defende cassação de licença para quem faz uso irregular dos postes | CPFL

    A CPFL Paulista e da AES Eletropaulo estão fechando o cerco para o processo que consideram irregular de ocupação dos seus postes. As duas empresas se reuniram na semana passada durante workshop quando anunciaram intensificação da fiscalização e a instituição do mecanismo de autodenuncia para os que querem regularizar sua situação. A Eletropaulo ainda informou que vem defendendo junto à Anatel a cassação da concessão para os “clandestinos”.

  • MUM 2018

    Obrigado por nos visitar no MUM 2018!! A MikroTik User Meeting (MUM) é uma conferência sobre o software RouterOS e o hardware RouterBoard da MikroTik

  • Santander destaca equipe para acompanhar movimentação de ISPs

    As operadoras competitivas e provedores regionais de acesso devem ser os protagonistas, nos próximos anos, de movimentos de fusão e aquisição. Devem, ainda, atrair inúmeros fundos de investimentos, que vão ajudar a organizar este mercado e profissionalizá-lo. Esta é a previsão do Santander, que destacou uma equipe apenas para observar e aconselhar tais movimentos.

  • Conselho da Anatel adia decisão sobre TAC da Algar

    O Conselho Diretor da Anatel prorrogou a análise sobre proposta de celebração de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Algar Telecom sobre temas relacionados a direitos e garantias dos usuários, fiscalização e interrupções de chamadas.  A prestadora, que tem concessão de telefonia fixa nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás, tem multas no valor de aproximadamente R$ 70 milhões, que poderão ser trocadas por compromissos de investimentos.

  • ANATEL PUBLICA VALORES DE REFERÊNCIA PARA NOVOS PRODUTOS NO ATACADO

    A Anatel publicou nesta sexta-feira (30) os valores de referência para oferta de atacado de roaming de voz, roaming de dados e roaming de SMS, aluguel de dutos, bitstream, full unbundling e transporte de atacado. É a primeira vez que a Anatel estabelece valores de referência para esses produtos. De acordo com a decisão da agência, esses valores devem ser reavaliados nos próximos dois anos.

2018-12-03T16:34:42+00:00