SANTO ANDRÉ, COM FIBRA EM 98% DA CIDADE, OFERECE 600 SERVIÇOS PELA INTERNET

Município avança na automação do atendimento médico, que já serve de exemplo para outras cidades

A prefeitura de Santo André, município do ABC paulista, leva a sério a necessidade do uso de TICs para facilitar a vida dos moradores e empresários da cidade. Tanto é assim que, em 2018, publicou o decreto 17049, que dispõe sobre a Política Municipal de Governança de Tecnologia e Inovação. Em pouco tempo, perto de 600 serviços já podem ser acessados pelos cidadãos e, em breve, todo o atendimento médico estará informatizado, facilitando o acesso aos moradores do município. O programa QualiSaúde já serve de exemplo para outras cidades, como Jundiaí.

O prefeito Paulo Serra (PSDB)resolveu adotar a política pública depois de constatar que as experiências nas prefeituras e gestões que deram certo existia um programa perene. Além disso, para alcançar os resultados propostos, o prefeito investe anualmente R$ 15 milhões em TI, mesmo com o cenário de recuperação econômica que se desenha desde o início da atual administração, que assumiu em janeiro de 2017 com dívidas com fornecedores na ordem de R$ 325 milhões, como conta o coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica, Pedro Seno. No entendimento da prefeitura, esses gastos se revertem em economia para os cofres públicos e mais conforto para a população.

Além de sistemas, a prefeitura investe em infraestrutura e hoje possui uma rede de fibra óptica de 300 km, que cobre 98% do território municipal, interliga todos os órgãos públicos e leva o WiFi gratuito para os 11 parques da cidade, locais de lazer preferidos da população. O município conta com um data center, uma rede com 105 câmeras de vigilância que acompanham todos os veículos que entram e saem da cidade e foi o primeiro a aderir ao “Rastro”, sistema federal de identificação, rastreamento e autenticação de mercadorias.

Segundo Seno, o Rastro foi criado pelo governo federal para articular e integrar  as políticas de rastreamento do país, criando um sistema de gestão integrada de identificação, planejamento e controle. As aplicações abrangem áreas como transporte, logística, saúde e segurança. Entre os benefícios previstos, estão: a redução de custos com atividades de logística; aperfeiçoamento do controle do trânsito e de mercadorias nas fronteiras e rodovias do país; integração dos sistemas de segurança pública; e incremento da arrecadação tributária.

Porém, além de sistemas nacionais e de software livre, a prefeitura de Santo André investe em soluções customizadas, desenvolvidas pelos mais de 60 servidores da área de TI, reunidos no Departamento de Tecnologia e Inovação, liderados pelo diretor Juliano Tonato.

Banco de dados

Entre os sistemas adotados, a prefeitura possui um banco de dados com informações dos munícipes. A partir desse serviço, a abertura de empresa pelo cidadão pode ser feita em 48 horas. A iluminação pública da cidade é interligada por meio do app Colab, sistema nacional que já foi eleito como o melhor aplicativo de demanda urbana do mundo.

Dos projetos em andamento, afirma Seno, o principal é o QualiSaúde, que visa criar um novo padrão de atendimento e gestão da rede municipal de Saúde. Apenas em 2018, 11 equipamentos foram inaugurados ou reformados em Santo André, com 100% do fluxo informatizado, incluindo totem de autoatendimento, gestão de fila informatizada e prontuário eletrônico implantado. Todas as unidades serão gradativamente integradas ao programa, que já está servindo de exemplo para outras cidades.

Outra solução em andamento é um cadastro único de vaga de creche, que pretende resolver a demanda desse tipo de serviço ainda em 2020. Na área educacional, a automação também avança nas 100 escolas municipais. No momento, a prefeitura já é capaz de disponibilizar por WhatsApp, o cardápio do dia da merenda escolar.

Fonte:TeleSintese

Posts Anteriores

  • Assinantes de ISPs recuam 1,5% em junho por falta de notificação, diz Anatel

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Anatel publica outorga para 10 SCM na 1ª semana de agosto

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Anatel abre consulta sobre base de dados do setor

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Na quarta semana de julho, 23 ISPs têm outorgas publicadas

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

  • Anatel concede anuência prévia para troca de controle na Hispasat

    Os números da banda larga fixa reunidos no relatório anual divulgado hoje, 25, pela Anatel, mostram mais que a expansão de mercado dos provedores regionais. Indicam que a o ritmo de ativação de redes de fibra óptica em novas cidades vem caindo ano a ano desde 2016. Naquele ano, 538 cidades receberam redes com fibra. Já em 2017, foram 226. E ano passado, mais 138 cidades se juntaram à lista das que são cobertas, ao menos em algum ponto, com alguma tecnologia óptica. Ao final de 2018 havia no país 3.589 cidades com redes de fibra, de um universo de 5.570 municípios.

2019-02-10T15:02:04+00:00
Whatsapp